quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Estreia no Rio é capa do caderno de cultura do Jornal O Globo


RIO - Passava das quatro da manhã quando ele foi dormir. Acordou três horas depois, tomou a ponte aérea e aterrissou no Rio. Era terça-feira, véspera de feriado, seu aniversário de 33 anos. Com o filho de quatro meses aguardando em casa, Lázaro Ramos queria sossego.
- Daqui eu vou pra casa dormir. Ontem, um jornalista me perguntou sobre o filme novo e eu comecei a falar sobre a peça. Tá uma confusão danada...


Direto da pré-estreia do longa "Amanhã nunca mais", de Tadeu Jungle, na última segunda-feira, em São Paulo, o ator emendava o trabalho para falar de "Namíbia, não!", montagem que marca a sua estreia na direção teatral e toma o palco do Oi Futuro Ipanema a partir desta sexta-feira, às 21h.

- Dirigir teatro não é um planejamento de carreira, assim como ser escritor de livro e de peça infantis não foi um plano - diz Lázaro, autor do livro "A velha sentada" e da peça "Paparutas". - Sou essencialmente um ator, mas há projetos em que me sinto mais útil como diretor ou exercitando meu olhar através de outra linguagem. Me ofereci para dirigir porque essa peça traz elementos que eu já venho trabalhando, uma maneira de tratar a questão racial com humor e pegada contemporânea.

Formado como ator pelo Bando de Teatro Olodum, nos anos 1990, grupo dirigido por Márcio Meirelles, e revelado ao país também sobre o palco, em "A máquina", dirigida por João Falcão, Lázaro define sua faceta de diretor como uma fusão das duas vertentes que marcaram o início da sua carreira.
- O Bando de Teatro formou um ator-autor, opinativo, que tem aspirações a partir de reflexões sociais e políticas, assim como o João Falcão me despertou para um teatro lúdico. É aí que eu encontro a boa mistura.

Com 20 filmes, 15 peças e 15 novelas em 18 anos de carreira, Lázaro poderá ser visto nos cinemas na próxima sexta-feira, quando estreia "Amanhã nunca mais". Até o fim do ano, ele chega também ao circuito europeu no longa angolano "O grande Kilapy", de Zezé Gamboa (diretor de "O herói", premiado em Sundance). E, ano que vem, começa a rodar o novo filme de Cacá Diegues, baseado em "O Grande Circo Místico", poema de Jorge de Lima que virou musical com canções de Chico Buarque e Edu Lobo em 1983. Junto com o cinema e o teatro, Lázaro ainda volta aos estúdios na próxima terça-feira para gravar a oitava temporada do programa "Espelho", do Canal Brasil. Projetos que o livram de um estado de "obsolescência artística", como diz:
- Tenho medo de ficar obsoleto, de me ater a ideias definidas numa profissão que oferece tantas possibilidades. A pesquisa desse espetáculo e o filme fazem sentido para mim. Neles, não recorro ao que já sei fazer. Às vezes, o que você já sabe fazer não é o que de melhor um ator pode viver ou tem a oferecer. Por isso, eles são a minha fuga da obsolescência.

A experiência como ator, ele garante, trouxe desafios ao diretor:
- O primeiro é não imaginar o que eu faria em cena, mas sim usar o afeto para estimular o ator. Aprendi isso com o Karim (Aïnouz, diretor do filme "Madame Satã", em que Lázaro viveu o protagonista, em 2002).

Escrita por Aldri Anunciação, que também atua na peça, ao lado de Flávio Bauraqui, "Namíbia, não!" conjuga dispositivos políticos e cômicos para abordar a situação dos afrodescendentes no Brasil olímpico do ano 2016. O texto trata de preconceito racial, mas toma como dominante o caminho da construção da identidade e da subjetividade dos personagens. A partir de uma carpintaria teatral que Lázaro usa como um paralelo de "Esperando Godot", de Samuel Beckett, um estudante de Direito e um advogado se escondem, na expectativa amedrontada de serem descobertos e expulsos do país. Crime, ilegalidade, contravenção... Nada disso. O contexto imaginado por Aldri avança quando o advogado decide processar o Estado, exigindo uma contrapartida financeira pelos crimes históricos cometidos contra os negros.

- O Aldri tomou como base valores estipulados em medidas para compensar judeus e japoneses (pelas perdas na Segunda Guerra). Mas o governo conclui que a reparação financeira é inviável e resolve capturar todos os negros e enviá-los imediatamente à África, numa revisão às avessas para as consequências do tráfico negreiro iniciado no século XVI.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/lazaro-ramos-estreia-na-direcao-teatral-com-peca-namibia-nao-3215220#ixzz1e0Yj57XK 

Nenhum comentário: