quinta-feira, 4 de julho de 2013

Sergio Menezes, ator que interpreta o personagem André de Namíbia, Não! participou do Programa Sem Censura com Leda Nagle na TV Brasil

Faltando poucas horas para a reestreia de Namíbia, Não! no Rio de Janeiro, o ator Sergio Menezes, que atualmente interpreta o personagem André no espetáculo participou na tarde de hoje do Programa Sem Censura na TV Brasil. A peça que entra em sua 10ª temporada desde a estreia em março de 2011 já percorreu 7 estados brasileiros e apresentou-se em Portugal no Ano do Brasil em Portugal. Ao todo já foram mais 38 mil espectadores. O ator Sergio Menezes, é conhecido do público brasileiro por participações em novelas da Rede Globo, especialmente pelo personagem Fulgêncio da novela Sinhá Moça.   Esta é a terceira temporada em que o ator da vida ao André no lugar de Flávio Bauraqui que se dedica a outros projetos no momento.
Ao longo destes quase três anos de vida do espetáculo dirigido por Lázaro Ramos e com texto de Aldri Anunciação, quatro atores já emprestaram seus corpos e vozes para os dois primos (personagens da peça) André e Antônio. São eles: Aldri Anunciação, Flavio Bauraqui, Fernando Santana e Sergio Menezes.
Namíbia, Não! vai estar em cartaz no Teatro Candido Mendes em Ipanema de 05/07 a 15/09 de sexta à domingo.

Na foto, da esq para a dir. a escritora e pesquisadora Ieda de Oliveira, o ator Sérgio Menezes, a apresentadora Leda Nagle, o compositor e pianista Antônio Adolfo e a médica Maria de Lourdes Oliveira, Fodo de Ieda de Oliveira retirada de: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=376753015780425&set=a.183863801736015.39009.183855801736815&type=1&theater

Um comentário:

Anônimo disse...

Profissionalismo e inteligencia nas noites de Ipanema!

O espetáculo NAMIBIA, NAO! foi uma grata surpresa da noite de hoje. Buscando entretenimento despretensioso, deparamo-nos com um texto para lá de inteligente e sofisticado. Há farta crítica para tudo e todos: preconceito racial, sociedade brasileira, Africa, colonialismo e escravidão, sociedade contemporanea, desigualdade social, politica, preconceito velado, medo, paranoia, etc...

Em um ritmo rapido, tenso e cheio de energia, os dois atores dão um show no melhor do aproveitamento cenico, expondo o drama dos personagens e a violencia patética da "realidade" apresentada. Música e iluminação bem exploradas, criando fortes mudanças de ritmo e atmosfera. A direção é certa: não houve excesso de movimentação dos atores como dito; houve a energia, a agressividade e o vigor necessários! Profissionalismo admirável da equipe frente ao inesperado!

Com citações bem encaixadas de Shakespeare, Kafka e Castro Alves, há muito não se vê um texto assim tão bem defendido, tão apaixonada e competentemente vivenciado. Muito bom ver jovens profissionais escrevendo, montando, produzindo e ousando - e com tanta qualidade e talento.

Emocionou, divertiu, fez pensar. Acho que isso se chama TEATRO DE PRIMEIRA!! Desejamos sorte e muito sucesso à temporada carioca de NAMIBIA, NÃO!

Andréa G.