sexta-feira, 23 de maio de 2014

Back to the roots? Namíbia, Não!, de Aldri Anunciação na visão do Prof. Dr. Henry Thorau

Back to the roots? Namíbia, Não!, de Aldri Anunciação.

Segue o link para o artigo do Prof. Dr. Henry Thorau (Doutor em Cultura Brasileira da Trier Universität - DE) publicado na revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea.

http://periodicos.bce.unb.br/index.php/estudos/article/view/10770/7765

"Os dois protagonistas Antônio e André não são outcasts, não são “dois perdidos numa noite suja” (Plínio Marcos), não são “capitães de areia” (Jorge Amado), não têm nenhum “manual prático do ódio” (Ferréz) debaixo do braço. Eles não precisam de rituais que ataquem a cultura burguesa, não têm uma mentalidade suburbana, mas urbana, não se gabam de um linguajar próprio, não representam o “código restringido”, mas se articulam no “código elaborado”. A ação não se passa na periferia, mas sim no centro social e cultural.

A peça evita, consequentemente, elementos folclóricos do morro, do afrossincretismo, do carnaval, mas também não entra no campo da sexual otherness, de certas construções de virilidade e de feminilidade. Ela não se define dentro do esquema da alteridade e da diferença cultural. Ao contrário. Os dois protagonistas funcionam perfeitamente na sociedade, eles representam a normalidade. A diferença se reduz unicamente à cor. A cor é o crime! Esse fato real-simbólico aumenta o medo dos antagonistas, que define a ameaça para o sistema estabelecido.

E é exatamente isso o que torna a peça tão inquietaste." (THORAU, p. 243)